Quais são os alimentos preferidos de nossas crianças?

Por Ana Fanelli

Não precisamos ser profissionais de marketing para descobrir quais são as preferências das crianças. Com certeza você sabe de cor que produtos suas crianças escolheriam num supermercado se fossem fazer as compras sozinhas.

Apesar de elas não terem o poder de compra, muitas vezes têm o poder de "fazer comprar".

Cabe a pais e professores exercer seu papel educativo e não ceder indiscriminadamente a esses desejos, que podem prejudicar a alimentação e a saúde da criança.

Vamos examinar de perto alguns dos produtos campeões de venda no segmento da alimentação infantil:

1. Biscoitos: geralmente são feitos com excesso de açúcar, principalmente os recheados. Devem ficar restritos ao horário do lanche e consumidos com moderação, pois são muito calóricos e, em excesso, podem favorecer a obesidade infantil. Cuidado para que as crianças não comam todo o pacote na frente da TV, pois isso vai diminuir o apetite por alimentos mais saudáveis.

2. Merendas e lanchinhos: representados pelos bolos recheados e bolinhos industrializados feitos para o horário do lanche, esses alimentos são fonte de energia, mas costumam ter alta porcentagem de açúcar e farinha refinados, que podem ser prejudiciais (ver tópico 1).

3. Balas, caramelos, confeitos coloridos e guloseimas: são basicamente fontes de açúcar simples e de corantes e aromatizantes artificiais. Cuidado com eles, pois o excesso de açúcar se transforma em gordura. Além disso, engana a fome, dando-nos a falsa sensação de que estamos alimentados e fazendo-nos diminuir a ingestão de alimentos necessários ao nosso organismo. Devem ser consumidos com moderação, somente após as grandes refeições (almoço e jantar), mas não todos os dias. Nunca devem substituir uma refeição ou o lanche da tarde. São grandes causadores de cárie infantil.

4. Gomas de mascar: como as balas, são compostas basicamente de açúcar. Devem ser evitadas. Caso não seja possível eliminá-las totalmente da alimentação, devem ser consumidas somente após as refeições maiores, mas não diariamente.

5. Refrigerantes: são bebidas de "calorias vazias", ou seja, sem nenhum valor nutricional. Se o excesso não for gasto, a criança poderá ficar obesa. Portanto, seu consumo deve ser restringido (somente em festas ou num fim de semana e, no máximo, de 1 a 2 vezes por semana).

6. Chocolates: são alimentos constituídos por gordura e açúcar, que são principalmente fontes de energia para o organismo. Devem ser consumidos como sobremesas das refeições maiores (o limite é uma barra pequena) ou na forma de achocolatados ou cobertura de bolos. Lembre-se: nunca sirva esse tipo de alimento todos os dias.

7. Sucos: de preferência devem ser feitos de frutas frescas, pois dessa forma se tornam fontes de vitaminas e minerais, que têm a função de auxiliar o metabolismo de nosso corpo, além de hidratá-lo. Evite os refrescos em pó, que geralmente são químicos e vêm com açúcar em excesso.

8. Frutas: geralmente as preferidas são a banana (fonte de potássio, um mineral que participa no metabolismo de carboidratos e proteínas, regula a transmissão de impulsos nervosos e contrações musculares e auxilia na recuperação de energia), laranja (fonte de vitamina C, poderoso antioxidante que evita alterações celulares, fortalece as defesas do corpo, além de auxiliar na absorção do ferro) e a maçã (fonte de fibras e flavonoides, que ajudam a diminuir a oxidação do colesterol). Devem ser consumidas de 2 a 4 porções/dia de frutas. As crianças podem ser incentivadas a experimentar e apreciar as outras frutas existentes, principalmente as próprias de cada época, que costumam ter sabor agradável e valor nutritivo acentuado.

9. Salgadinhos: geralmente têm muita gordura e sal em sua composição. O consumo diário deve ser evitado, pois esses alimentos são altamente energéticos, e o excesso de energia transforma-se em gordura em nosso corpo e deposita-se nas células adiposas. Depois, para perder essa gordura, é mais complicado. Nunca deixe seus filhos comerem salgadinhos no lugar de uma refeição - almoço/jantar ou lanche.

10. Batata frita: por ser uma fritura, é rica em gorduras saturadas, que em excesso podem aumentar os níveis de colesterol no sangue e aumentar os riscos de doenças do coração. O consumo deve ser restringido (1 vez por semana). A batata frita deve ser servida somente nas refeições maiores, junto com outros alimentos, como cereais, verduras, frutas.

11. Sanduíches como cachorro-quente e hambúrguer: também são fontes de gordura saturada. A salsicha e o hambúrguer industrializado costumam ter nitritos em sua composição, que em excesso podem predispor ao câncer e à pressão alta. Portanto, procure fazer hambúrguer caseiro ou restringir o consumo desse lanche a festas ou outras ocasiões especiais. Cuidado com a quantidade de maionese e ketchup, acompanhamentos altamente calóricos.

Portanto, pelo que dá para perceber, não se pode deixar as crianças consumirem do jeito e na quantidade que quiserem seus alimentos preferidos.

Proibi-las não funciona, mas você pode ir reafirmando que o excesso tem conseqüências negativas, envolvê-las nessa descoberta e na busca de alternativas, de acordo com sua capacidade de compreensão. Mostre que o problema está na falta de limite no consumo de doces e salgadinhos.

O segredo para tornar a alimentação das crianças mais equilibrada é estimulá-las a descobrir e experimentar o sabor de vários alimentos, desacostumando-as do sabor doce e monótono das guloseimas.

O melhor presente que podemos dar a nossas crianças é cuidar delas para que tenham uma vida saudável, e isso está ao nosso alcance fazer.

Boa sorte, e estou à disposição para maiores dicas e sugestões.

   

 


Gisele Pontaroli Raymundo


ver currículo >>
Últimos Artigos

Os desafios da saúde da mulher de hoje

O sucesso da multimistura

Alimentos industrializados na dieta dos bebês

 Cardápio

Monte cardápios de lanches saudáveis para as crianças.
 Buffet Virtual

Prepare seu prato e receba uma avaliação
 IMC
Descubra seu peso ideal!


 Outros Artigos